BONEY M DE VOLTA AO PASSADO AO P…

Pela mão de Boney M, os g…

ELIANE DE JESUS: SINTO-ME BEM AM…

ELiane de Jesus é o nome …

Kandjulado, do acampamento de es…

Grupo composto por sete a…

Bass revela as razões que o leva…

Bass, detentor de uma das…

Namibe: Show deLil Saint, Kyaku …

A primeira semana do Mês …

Single de Johnny Ramos no Top da…

O regresso aos lançamento…

GRUPO KASSAV EM ANGOLA E PELA PR…

O grupo Kassav com mais d…

Calema: “Pretendemos levar o álb…

A dupla Calema, composta …

Neide Sofia dispensa convites pa…

Neide Sofia declinou um c…

Fundos do show dos dez anos de c…

C4 Pedro, um dos mais inf…

«
»
SIGA-NÓSTwitterFacebook

BANDA MBIMBY – QUEBRA JEJUM DE 30 ANOS EM ANGOLA

É fruto de várias tentativas de brilhar no mundo da música por parte do Faustino Amândio,também conhecido por Tino Rasta, pois na altura usava Dred Locks. Depois de ter participado ao concurso estrelas ao palco nos anos 2006 – 2007, tendo ganho na fase provincial.
Representou o Namibe ao concurso nacional mas não teve resultado satisfatório. De Regresso ao Namibe, Tino integrou-se na banda Odisseia. Durante quatro anos foi um dos vocalistas da mesma banda, aperfeiçoou os dotes que tinha em seguida decide passar a experiência aos filhos, ensinando-os a tocar guitarra, piano e outros instrumentos musicais.
No princípio foi difícil porque a cada dia que passava, as crianças escolhiam um instrumento para aprender a tocar e no dia seguinte mudavam de opções. Como resultado, cada um dos integrantes da banda Mbimby tem o domínio de cada instrumento. Mbimby é em homenagem ao sobrenome da mãe de Faustino, que já partiu deste mundo.

Em 2012 a Banda Mbimby apareceu pela primeira vez ao público para mostrar o seu potencial numa actividade do dia da criança africana realizada no Pavilhão do Benfica, cidade de Moçâmedes. De lá pra cá, o grupo continuou a trabalhar e como resultado, está dado o primeiro passo com o Lançamento do Primeiro Álbum “Vamos Brincar”. O Disco traz 13 faixas musicais (1-Namibe, 2-Esumwo lio mõlã, 3-Santana, 4-Amor Maior, 5-Dilema, 6-Estuda Pioneiro, 7-Asas à vida, 8-Vamos brincar, 9-Um apelo, 10-Meu sonho, 11-Mãe,
12-Falar, 13-Tulisanga). Rumba, Kizomba, Semba, Sungura e Reggae são os estilos que se podem apreciar neste CD. Os mesmos temas foram interpretados em línguas: Umbundu, Zulu, Espanhol e Português.
Na história de Angola, há cerca de trinta anos que não se lança agrupamento musical na classe infantil. A última marca deste país foram os Impactos 4, brilharam de Benguela para as 18 províncias e hoje tem uma marca no mercado nacional, a detentora de uma voz inconfundível
“Yola Semedo”. Neste ano de 2018 começa uma nova história da música angolana com o lançamento do primeiro trabalho discográfico que foi vendido e autografado já na cidade de Moçâmedes, província do Namibe. A próxima etapa está marcada para dia 7 de Abril no Largo da Independência em Luanda.

Marina (Percussionista), Guiguí (Guitarra Baixo) ambos com 12 anos de idade cada, Prazeres (Solista) 13anos, Mãezinha (Teclado) 14, Avozinha (Teclado) 15 e o Campeão (Bateria) 16 anos. São todos irmãos, o que permite ensaiarem diariamente de forma coordenada. Quem estuda de manhã procura a todo custo ensaiar de tarde e vice-versa.
Em entrevista à Famastar, questionamos-lhes se há facilidade ou dificuldade em aprender a tocar algum instrumento. Campeão disse “o instrumento não se pode dizer que é fácil, mas a força de vontade é que ajuda muito no aperfeiçoamento. Mas a parte mais difícil é no pedal, porque o pedal é
que dá o sustento na música”. Para a pequena Marina aluna da quarta classe, a percussão foi fácil adaptar. Mas o momento mais fixe é de actuar. O Guigí afirma que o mais essencial para tocar a guitarra baixo é “esforçar-se bastante, saber as cordas, as notas e conhecer os acordes”.

Quem faz solo e ritmo é o Prazeres, também é vocalista. Logo no princípio da conversa, sentimos um prazer em conhecê-lo pela simpatia e o que nos
chamou atenção é que ele aprendeu a tocar em seis meses. “No princípio doía muito nos dedos mas depois de habituar, tornou-se um pão de cada dia”.
Curiosamente o estilo que mais gosta de tocar é Kizomba. Já a Maguí só viveu algumas dificuldades no princípio que de enquadramento no tempo e compasso. Mas aos dias de hoje, ela já captou os passos todos. Mas aprendeu a tocar o piano em três meses.
A Avozinha sentiu-se acanhada uma vez quando pela primeira vez actuaram numa maratona onde havia muita moldura humana.

A banda Mbimby já tem dois videoclipes oficiais nomeadamente Vamos Brincar e Dilema, esta última captada na cidade do Lubango, província da Huíla. A escolha da província da Huíla deveu-se ao facto de se tratar de chuva que destrói campos, alaga os caminhos de ir à escola, de ir ao serviço e às brincadeiras, a mesma chuva que dá benefícios: irriga as plantas e mata a cede dos animais.
O Primeiro vídeo oficial foi captado em Luanda no final de 2017. O mesmo pode ser visualizado no youtube através do seguinte endereço: https://youtu.be/8GgrnSW4E_o?t=5
Cada um tem uma ambição, a Marina pretende ser médica, o Campeão e a Avozinha querem seguir o ramo da Justiça, enquanto a Maguí tem o sonho de ser Piloto. Quem ainda não se definiu para o futuro além da música é o Guiguí, já o Prazeres quer ser engenheiro petrolífero.
Mas o melhor de tudo é que a música sempre fará parte da vida destes artistas que nasceram no território situado entre o Mar e o Deserto (na cidade de Moçâmedes).

MOMENTOS DA GRAVAÇÃO DO VIDEOCLIPE DA MÚSICA DILEMA



POR: DINO DA COSTA

Noticias

Musica

Eventos

Reporter Famastar

SOBRE NÓS