Os Dream Boys vão sair da Bom So…

Os membros do grupo music…

Novo projeto social leva Neide a…

A cantora e bailarina Nei…

Onde está o coração de Matias Da…

«Onde está o teu coração …

Pedro é o destaque no festival d…

O músico angolano C4Pedro…

Força Suprema: “Se fosse para vo…

Conquistando o público an…

NANDINHO SEMEDO ESTREIA NOVO VID…

O músico internacional Na…

Detido Membro da Força Suprema n…

A polícia da República de…

Eva Rap Diva lançou novo CD no p…

O álbum é dedicado à sua …

Vanya S. lança single de estreia…

A cantora angolana Vanya …

Beboclone: “ O kuduro ainda é al…

Beboclone, autor do suces…

«
»
SIGA-NÓSTwitterFacebook

Russos lançam construção de refinaria no Namibe

Investidores russos lançaram hoje, na província angolana do Namibe, a primeira pedra para a construção de uma refinaria de 13,15 bilhões de dólares ou 10,5 mil milhões de euros, projeto envolvendo ainda um traçado ferroviário unindo as centenárias linhas de Benguela e de Moçâmedes.

A primeira pedra da refinaria foi colocada na localidade do Giraul de Baixo, município de Moçâmedes, capital do Namibe, e a obra será executada numa área 1.300 hectares, promovida pelos grupos Rail Standard Service e Fortland Consulting Company, ambos da Rússia.
De acordo com informação transmitida na cerimónia por Anatoly Kazlov, representante dos investidores russos, o projeto passa por instalar naquela região do sul de Angola um grande centro petrolífero, em face das necessidades energéticas de outros países da África austral.
Acrescentou que o negócio começou a ser discutido com o Governo angolano há dois anos, avançando agora para a sua implementação, com as obras a arrancarem ainda este ano.

A Lusa noticiou a 13 de março que o Presidente angolano autorizou, por despacho, este investimento, o qual prevê, num prazo de 11 anos (pico da produção), refinar por dia 400.000 barris de petróleo, equivalente a um quarto da produção diária de crude angolano.
Serão criados ainda 2.100 postos de trabalho para angolanos e 900 para trabalhadores expatriados.
O investimento, de 12 mil milhões de dólares (10,5 mil milhões de euros), envolve ainda a execução de infraestruturas integradas de apoio ao projeto, “nomeadamente a construção e administração de uma área habitacional destinada ao alojamento dos trabalhadores, cais de acostagem, central elétrica e uma linha férrea que liga ao Caminho-de-Ferro de Moçâmedes [Namibe] ao Caminho-de-ferro de Benguela”, lê-se no contrato com a Unidade Técnica de Investimento Privado (UTIP).

O projeto será executado pela NAMREF, sociedade veículo do investimento, a constituir pelos dois grupos russos (75% de investimento pela Rail Standard Service e 25% pela Fortland Consulting Company) e parceiros locais, também conforme prevê o contrato.
A primeira fase deste projeto envolve a construção da unidade de dessalgação elétrica do petróleo e conversão normal com capacidade de 10 milhões de toneladas por ano, no prazo de três anos e meio. Esta capacidade, bem como o tipo de produto a refinar, como gasolina, gasóleo e betume, irá aumentar com a concretização das restantes fases.

Além das licenças e do terreno, o Estado angolano compromete-se, neste contrato, com a garantia de compra de entre 28.000 barris diários de petróleo bruto (na primeira fase, dentro de três anos e meio) e os 364.00 barris diários (na última fase, dentro de 11 anos).
Este investimento surge numa altura em que a construção da refinaria de Benguela foi suspensa pela estatal Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) e que o Governo está a reavaliar o projeto da refinaria no Soyo.
A Lusa noticiou em dezembro que Angola importa mensalmente cerca 160 milhões de euros em combustíveis refinados, fornecimento que está a ser dificultado pela falta de divisas e pagamentos em atraso por parte da Sonangol.

Os dados constam de uma informação da própria Sonangol, que reconhecia na altura a “limitada” produção nacional de combustíveis refinados, que ronda apenas 20% do consumo total.
Além disso, recorda a empresa liderada por Isabel dos Santos, os custos incorridos são em dólares norte-americanos (compra no exterior) e as vendas realizadas em kwanzas no país, num cenário de crise financeira, económica e cambial que Angola atravessa.
Angola é o maior produtor de petróleo em África, com cerca de 1,7 milhões de barris de crude por dia, mas a atividade de refinação está concentrada na refinaria de Luanda.
Fonte:N.A 24h

Noticias

Musica

Eventos

Reporter Famastar

SOBRE NÓS