POR QUE O CÂNCER DE MARCELO REZE…

Steve Jobs, Patrick Swayz…

Neide Sofia dispensa convites pa…

Neide Sofia declinou um c…

Fundos do show dos dez anos de c…

C4 Pedro, um dos mais inf…

Dj Dias Rodrigues junta artistas…

O Dj Dias Rodrigues vai j…

Os Dream Boys vão sair da Bom So…

Os membros do grupo music…

Novo projeto social leva Neide a…

A cantora e bailarina Nei…

Onde está o coração de Matias Da…

«Onde está o teu coração …

Pedro é o destaque no festival d…

O músico angolano C4Pedro…

Força Suprema: “Se fosse para vo…

Conquistando o público an…

NANDINHO SEMEDO ESTREIA NOVO VID…

O músico internacional Na…

«
»
SIGA-NÓSTwitterFacebook

Reino Unido quer cooperar com Angola no combate ao terrorismo

  • Written by:

O Reino Unido quer cooperar com Angola no combate ao terrorismo, fenómeno que pode ser destruído com o exercício de uma governação, disse, em Luanda, o vice-ministro para a Commonwealth, África e Médio Oriente britânico.
Tobias Ellwood, que realizou, na segunda-feira, uma visita de algumas horas a Luanda, foi recebido pelo ministro da Defesa de Angola, João Lourenço.

À saída da audiência, o governante britânico, citado hoje pelo Jornal de Angola, referiu que o Reino Unido integra os países que lutam contra grupos terroristas na região do Médio Oriente, Somália e Nigéria.

Segundo Tobias Ellwood, é importante que os Estados trabalhem juntos para derrubar o extremismo, onde quer que exista, defendendo a necessidade de um maior controlo sobre a internet, para que a mesma não seja usada por jovens para fins que levem ao extremismo.

Acrescentou ainda que é fundamental que os países de África e do Médio Oriente tenham bons governos, porque a inexistência de boa governação deixa determinadas áreas expostas ao risco de facilmente serem exploradas por ações de terrorismo.

O governante britânico defendeu ainda que é necessário apoiar o desenvolvimento desses países e evitar-se o perigo do extremismo.

Relativamente à situação política na República Democrática do Congo, Tobias Ellwood realçou a importância da realização de eleições, sublinhando que o país vizinho de Angola tem muitos desafios.

“E se o processo eleitoral não for organizado, as eleições não são justas. Temos de ter a certeza de que este processo é conduzido o mais rapidamente possível e as eleições possam ter lugar”, referiu.

Durante a sua estada em Luanda, o vice-ministro britânico reuniu-se com o secretário de Estado do Ministério das Relações Exteriores, Manuel Augusto, tendo expressado no final do encontro a disponibilidade do Reino Unido para cooperar nas áreas de agricultura, educação, infraestruturas, finanças e defesa.
A visita a Angola visou abordar com as autoridades angolanas oportunidades de investimento, com a saída do Reino Unido da União Europeia.

Noticias

Musica

Eventos

Reporter Famastar

SOBRE NÓS