POR QUE O CÂNCER DE MARCELO REZE…

Steve Jobs, Patrick Swayz…

Neide Sofia dispensa convites pa…

Neide Sofia declinou um c…

Fundos do show dos dez anos de c…

C4 Pedro, um dos mais inf…

Dj Dias Rodrigues junta artistas…

O Dj Dias Rodrigues vai j…

Os Dream Boys vão sair da Bom So…

Os membros do grupo music…

Novo projeto social leva Neide a…

A cantora e bailarina Nei…

Onde está o coração de Matias Da…

«Onde está o teu coração …

Pedro é o destaque no festival d…

O músico angolano C4Pedro…

Força Suprema: “Se fosse para vo…

Conquistando o público an…

NANDINHO SEMEDO ESTREIA NOVO VID…

O músico internacional Na…

«
»
SIGA-NÓSTwitterFacebook

Angola e Moçambique entre os países com maiores problemas de liquidez

A agência de notação financeira Moody’s considerou hoje que Angola e Moçambique estão entre os países africanos que vão enfrentar os maiores problemas de liquidez este ano devido à queda dos preços das matérias-primas.
Num relatório sobre os ‘ratings’ dos países da África subsaariana, a Moody’s diz que “o impacto negativo na liquidez resultante do choque dos preços do petróleo e das matérias-primas vai estar principalmente concentrado no Gabão, Moçambique, República Democrática do Congo e Zâmbia, mas também será evidente em Angola e, em menor extensão, na Nigéria”.
O relatório sobre esta região, a que a Lusa teve acesso, com o título ‘Perspetiva Negativa num contexto de stress de liquidez, baixo crescimento e risco político”, pormenoriza que “no final do ano passado, a Moody’s tinha revisto em baixa um terço dos 19 países analisados na região, em média em dois níveis, o que compara com as 29 descidas nos ratings a nível global, representando 22% dos 134 países analisados” pela agência de notação financeira.

Cinco dos sete países que viram o ‘rating’ descer, entre os quais estão Angola (B1 com Perspetiva de Evolução Negativa) e Moçambique (Caa3 com Perspetiva de Evolução Negativa), “têm uma Perspetiva de Evolução Negativa, sublinhando a visão da Moody’s de que as pressões que levaram à descida do ‘rating’ vão persistir em 2017”, escrevem os analistas.
“As economias da África subsaariana vão continuar a enfrentar dificuldades de liquidez induzidas pelas matérias-primas em 2017, com défices orçamentais recorrentes em condições financeiras desafiantes”, comentou a vice-presidente da Moody’s e coautora do relatório, Lucie Villa.
“Estes são constrangimentos importantes que vão continuar e que sustentam a nossa análise sobre a Perspetiva de Evolução Negativa para a África subsaariana, no geral”, acrescentou a analista.
A Perspetiva de Evolução Negativa é uma análise que a Moody’s faz sobre os próximos 12 a 18 meses, e antecipa geralmente uma revisão em baixa do ‘rating’.

No caso de Angola e Moçambique, ambos estão neste caso e ambos têm um ‘rating’ de recomendação de não investimento, ou seja, ‘lixo’ ou ‘junk’, como é tradicionalmente conhecido.
Em média, a Moody’s antecipa para este ano um crescimento económico de 3,5% nos países analisados nesta região, o que representa uma subida face aos 1,5% antecipados em 2016.
“No entanto, o valor vai variar significativamente na região; os países que estão dependentes das exportações de matérias-primas vão ver a sua atividade económica limitada em 2017”, lê-se no relatório.

Noticias

Musica

Eventos

Reporter Famastar

SOBRE NÓS